*Parvoíces fresquinhas

* Luta

* Ela, o Mar, e Ele

* Chamamento

* Desilusão

* Como eu

* Segredo

* Pura

* Fraqueza

* Noite

* Saudade

*Parvoíces já guardadas

* Setembro 2008

*Setembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

*pesquisar

 

*tags

* todas as tags

Free Hit Counters
Free Counter
Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008

Desespero

Sinto o calor que me abafa

Como se de duas mãos se tratasse

Ou um braço forte me sufocasse

 

O sol raia sem brilhar

As flores secam de tristes

A terra não se deixa trabalhar

 

A estrada parece não ter fim

É um deserto que não acaba

Um mundo que não é p'ra mim

 

Nada parece igual

Ao mesmo tempo tudo normal

Dou por mim a querer desaparecer

 

E o desespero não pára

Esta raiva que sai de dentro

Uma coisa tão rara

 

Não vejo ninguém

Tudo me rodeia porém

Só consigo sentir o quente do dol

 

O ar mostra monotonia

Uma mudança constante também

Transformação e harmonia

 

O mundo parece acabar

Ninguém consegue continuar

Neste caminho de gente perdida

 

O tempo está a passar

O sol não se põe

O dia está p'ra ficar

 

E a noite que não vem

Parece que o universo nem lua tem

O tempo pára

 

As flores choram

As folhas caem

As gentes não voltaram

 

E não consigo mais

Fecho os olhos finalmente

Enquanto cai a última semente

tags:
publicado por Me às 15:52
link do post | comentar | favorito
|

*links